23/11/2020 - Thiago conta como Felipão botou ordem no Cruzeiro: ‘Todo mundo come junto e sai da mesa junto’

Com 19 anos, já é um dos jogadores que compõe o elenco profissional do Cruzeiro. Em menos de um ano, disputou estadual, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro Série B, e, inclusive, também já balançou as redes com a camisa azul celeste. Thiago é um dos centroavantes da Raposa que, mesmo muito jovem, tem sido bastante utilizado nesta temporada e uma concorrência de peso para os mais experientes.

Pela Série B, Thiago já entrou em campo 13 vezes, sendo uma delas como titular, no empate diante do Confiança, pela quinta rodada. Entretanto, foi no Campeonato Mineiro que o centroavante teve seus melhores momentos. Logo na estreia do estadual deste ano, o jogador marcou seu primeiro gol com a camisa do Cruzeiro, na vitória diante do Boa Esporte, em pleno Mineirão. Depois ele estufou as redes adversárias no clássico contra o Atlético, e na goleada sobre a URT.

Com toda essa bagagem construída ao longo de 2020, Thiago comenta, com exclusividade ao Esporte News Mundo, sobre sua transição das categorias de base para o profissional do Cruzeiro.

– Para mim, particularmente, é algo novo né. Poder participar do profissional do Cruzeiro, um clube gigante, é um desafio muito grande para mim, estou muito feliz. Existe uma diferença gigante entre o sub-20 e o profissional. Mas eu estou feliz de participar desse desafio e de vestir essa camisa. Essa transição é importante para pegar ritmo de jogo, isso não só para mim, mas como para todos os garotos que fizeram essa transição.

Sendo um dos jogadores com mais gols pelo Cruzeiro no ano, Thiago vive a oportunidade de dividir posição com atletas renomados no futebol internacional, como Marcelo Moreno e Rafael Sóbis. Para o jovem atacante, essa é uma situação de adquirir experiência e de realização pessoal.

– A nossa relação é muito boa, não só com o Marcelo, mas com todos os atacantes. Eu, como sou o mais novo ali na linha de frente do ataque, tento pegar o máximo deles, ver o que eles podem me passar, tentar absolver ao máximo da experiência deles. E a relação é muito boa, todos nós nos entendemos e eu, como o mais novo, tento aprender o mais rápido possível, porque tudo é um processo de adaptação aqui em cima. Então, quanto mais rápido eu pegar, mais rápido vai ser minha adaptação. E dividir posição com jogadores de ponta como Marcelo Moreno, Sóbis, Sassá é muito gratificante para mim. Eu assistia eles na televisão, via as características de cada um, então eu, agora, tento pegar um pouco de cada para poder crescer como profissional.

‘FAMÍLIA SCOLARI’
O nome do Cruzeiro que mais balançou as manchetes em todo o Brasil foi o de Felipão. Luiz Felipe Scolari aceitou o desafio de treinar a Raposa neste tempo difícil que o clube vive e tem dado certo, já são seis jogos no comando do treinador e nenhuma derrota. Thiago conta quais foram os efeitos da chegada do técnico renomado e como tem aproveitado essa experiência.

– Ele traz uma confiança imensa para o vestiário e como vocês podem ver nos jogos, ele traz uma tranquilidade, uma calma. É um cara que é campeão do mundo, que compartilha as ideias e a gente tenta pegar o máximo dele. Então, temos maior liberdade para deixar o nosso melhor dentro de campo. Os trabalhos dele são muito bons, que requer muito da gente, então, é um cara que passa muito tranquilidade para nós.

Felipão tem como tradição tratar os jogadores que treina como uma família. Thiago conta como foram as transformações extracampo após a chegada de Scolari e quais são os efeitos positivos dessas ações.

– Acho que essa união é importante no futebol, até para ter o entendimento de todo mundo. Eu acho que isso foi fundamental para que a gente pudesse subir cada vez mais, tanto fora quanto dentro de campo. Ele (Felipão) chegou para colocar ordem. Todo mundo chega para jantar junto, come junto e sai da mesa junto. Eu acho isso importante, porque todo mundo compartilha um pouco de suas ideias, seu entendimento, todo mundo começa a se entender mais e isso acaba passando para dentro de campo também.

Sendo um jogador jovem, de 19 anos, Thiago era bem pequeno quando Felipão conquistou o pentacampeonato com a Seleção Brasileira, em 2002. Mas o centroavante sabe do peso que tem o técnico e tenta absolver o máximo do conhecimento do treinador, até porque Scolari tem passagens pela Europa e já treinou um dos maiores ídolos de centroavante celeste.

– Eu fico muito feliz de poder treinar com ele, até porque ele treinou um dos meus ídolos que é o Cristiano Ronaldo. Eu acho que nunca tinha passado pela minha cabeça que eu seria treinado por ele, mas eu tento absolver o máximo dele e fico muito feliz com isso. Cara, é um grande nome, é uma experiência gigante e o máximo que eu puder pegar dele eu vou usar isso ao meu favor para que eu possa me tornar um grande atleta.

Um fato curioso sobre o jovem atacante do Cruzeiro é sobre seu nome. Na camisa está escrito “Thiago”, mas o que pouca gente sabe é que o seu primeiro nome é Igor. O centroavante conta que a forma como é chamado tem uma ligação íntima com sua mãe.

– Quando eu estava na barriga da minha mãe, ela gostou de um nome de um garoto que existia na minha cidade, aí ela colocou esse nome em mim. Todos me conhecem como Thiago, porque minha mãe me chama pelo primeiro nome, e ainda quando ela está brava.

Fonte: https://esportenewsmundo.com.br/