06/06/2018 - Donizete garante "pegada" de general em primeiro clássico contra ex-companheiros

O técnico Enderson Moreira não confirmou o time do América-MG que entrará em campo contra o Atlético-MG, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), no Independência, com mando alviverde. No entanto, uma das novidades deve ser o retorno de Leandro Donizete, que ficou fora dos dois últimos compromissos da equipe em função de um incômodo na coxa direita.

Caso seja confirmado entre os titulares, o volante vai disputar o primeiro clássico com a camisa do Coelho. E o adversário será justamente o time pelo qual ele conquistou os troféus da Libertadores, da Recopa Sul-Americana e da Copa do Brasil e onde ficou marcado pela raça, sobretudo em clássicos contra o próprio América-MG e também diante do Cruzeiro. Característica que rendeu ao jogador o apelido de “General”.

Desde que saiu do Atlético-MG, no fim de 2016, ele já duelou contra o Alvinegro uma vez, quando defendia o Santos, no ano passado. Apesar da história especial com a camisa alvinegra, ele minimiza o fato de reencontrar o Galo no duelo mineiro, onde o clima costuma ser diferente. Além disso, garante que, mesmo do outro lado do clássico, a “pegada” será a mesma de quando vestia preto e branco.

- Eu acho que não (é diferente de quando joguei pelo Santos). Isso fica para a torcida. Para mim está tranquilo. Já vão fazer dois anos que saí de lá. A história que eu fiz ninguém vai apagar, está comigo para sempre, mas hoje eu defendo as cores do Coelho e vou fazer o que eu fazia no Atlético quando jogava os clássicos, que eu brigava, batalhava e dava a vida em campo. Amanhã, mais uma vez, vou fazer isso.

No time do Atlético-MG que deve ir a campo, tem seis jogadores que atuaram ao lado de Donizete com a camisa alvinegra: Victor, Patric, Gabriel, Leonardo Silva, Luan e Cazares. Nem mesmo os velhos companheiros escaparão da marcação forte do volante.

- Já conheço bem eles, não precisam nem falar (como eu jogo). Foram vários anos juntos, sabem como eu jogo, que a pegada é forte. Independentemente de quem vai jogar lá, vou marcar firme como sempre.

Fonte: www.globoesporte.globo.com